A psicopedagogia é uma área do conhecimento que apesar de muito recente em nosso pais, já é bastante solicitada pelos educadores e especialistas da área da saúde.

O Psicopedagogo clínico é o profissional indicado para a avaliação e intervenção dos mais variados transtornos de aprendizagem. Desta forma, a psicopedagogia estuda os processos de aprendizagem e suas dificuldades, integrando em sua ação profissional, saberes de outras áreas específicas tais como a psicologia, pedagogia, filosofia, neurologia, sociologia, linguística e psicanálise. A psicopedagogia existe não só para compreender o sujeito que aprende ou a aprendizagem humana. Para além disso, este campo de atuação, existe para responder aos problemas de aprendizagem, mesmo que ainda com poucos recursos e a notável idéia de que há muito o que se pesquisar sobre as alterações na aprendizagem bem como preveni-las e tratá-las.

A psicopedagogia está interessada em estudar os atributos da aprendizagem: como o indivíduo aprende, que fatores estão interligados ao processo de aprendizagem , como ocorrem as dificuldades e as defasagens escolares.

Hoje, sabe-se que a aprendizagem está condicionada a fatores biológicos, aspectos emocionais  e intelectuais que interferem na forma como o indivíduo se relaciona com o ambiente em que está inserido, influenciando e sendo influenciado pelas questões socioculturais do indivíduo e do seu meio.

Conforme sugere Alicia Fernández (1991) cada um de nós temos uma forma particular de aprender. Este processo se constrói desde o nascimento. para FERNÁNDEZ, 2001 “desde o início de sua existência, o bebê já está constituindo o sujeito aprendente sempre em relação com a modalidade de ensino e de aprendizagem de seus pais”.

Desta forma, podemos dizer que os seres humanos aprendem por identificação, os pais se tornam um modelo para os filhos que na relação de ambos um funcionará como o sujeito que ensina e o outro como sujeito que aprende e vice versa.

Para a Psicopedagogia, portanto, o que importa não é o que já se sabe, importa a conexão existente entre estes dois sujeitos: o que ensina e o que aprende.

É importante também compreender a atuação do psicopedagogo por meio de dois enfoques: preventivo e terapêutico.

No que se refere ao enfoque preventivo, o psicopedagogo promove alternativas ou possibilidades que conduzam a melhorias na prática pedagógica nas escolas. Atua não apenas no âmbito escolar, mas também com a família e a comunidade, ajudando a compreender as diferentes fases do desenvolvimento na tentativa de minimizar cobranças que não estejam de acordo com a capacidade cognitiva da criança. Outras atividades podem ser observadas na atuação deste profissional como auxiliar a criança na organização de seus estudos, propondo rotinas e melhor aproveitamento do seu tempo, desenvolvimento do raciocínio por meio de jogos lúdicos, geralmente muito uitilizados para ajudar na construção do conhecimento e no desenvolvimento cognitivo.

Terapeuticamente a psicopedagogia visa identificação, planejamento e análise dos motivos que levaram a criança a uma defasagem escolar. O diagnóstico psicopedagógico se faz necessário uma vez que visa a identificar os bloqueios apresentados na aprendizagem. Citarei alguns: baixo rendimento escolar, falta de concentração, agressividade, agitação, dentre tantos outros. Este processo permite a elaboração de hipóteses que poderão ser confirmadas ou não, recorrendo aos conhecimentos práticos e teóricos.

BOSSA, N.A. A psicopedagogia no Brasil: Contribuições a partir da prática Rio de janeiro: WAK, 2011.

SAMPAIO, S. Manual prático do diagnóstico Psicopedagógico Clínico: WAK, 2012.

FERNANDES, Alícia. A inteligência Aprisionada. Porto Alegre: Artmed, 1990.

FERNÁNDEZ, Alicia. Os idiomas do aprendente. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

%d bloggers like this: